Será que brincar combina com aprender ? E o brincar e a alfabetização, qual a relação?

Sim! Aliás, sem brincadeira não há aprendizagem, criança que não brincou e não brinca, não têm experiência suficiente para as aquisições básicas da leitura, escrita e matemática.

Sabe por quê? Porque a criança precisa conhecer o corpo, o espaço,  ter noção de tempo, equilíbrio, coordenação e destreza manual para as aquisições da alfabetização.

“Ao longo do desenvolvimento infantil ocorrem mudanças nos padrões de movimento das crianças, partindo dos movimentos mais simples para a aquisição de padrões mais eficientes, os quais dependem particularmente, da experiência motriz, da oportunidade e do encorajamento para a prática motora. Devendo considerar que para a determinação do padrão de mudanças, devem ser levadas em consideração a maturação, as características individuais e as experiências” (Cardoso, et all, 2010)

A criança precisa de todos esses pré-requisitos motores, para:

  • a segurar o lápis,
  • desenhar a letra,
  • ficar sentada,
  • comer no recreio,
  • fazer pinturas,
  • utilizar a tesoura e
  • virar a página, entre muitas outras atividades.

E esses movimentos, são bem mais precisos que os movimentos que ele apresentava aos 2 anos.  Sendo assim, as exigências escolares e necessidades são diferentes, muito mais complexas.

O brincar é a maneira mais saudável e integral para proporcionar à criança as aquisições das competências necessárias durante o primeiro ano do ensino fundamental, o que quer dizer, que o processo de desenvolvimento deve ser inciado muito antes.

Quando?

Desde o nascimento!

 

O brincar oferece a criança todas as oportunidades de estimulo motor, cognitivo e social, que são fundamentais para as relações com os amigos da sala de aula, professores e todos da escola.

Quando começamos a conhecer as letras e números, experimentamos muitas frustrações. Seja por não conseguir fazer o “R”,seja por trocar o “b” pelo “d”. E se não exploramos e aprendemos a lidar com esse sentimento desde bem pequeninos, quando,  o castelo que desaba, a peça não encaixa, ou quando perde no jogo, quando estiver aprendendo atividades ainda mais elaboradas, vai ser muito mais difícil .

E então percebemos na criança:  irritabilidade, desgosto de ir para escola, birra para fazer a tarefa, sono agitado, e choro frequente.

As dificuldades que a criança está vivenciando, aparecem imediatamente no comportamento.

Por isso, esteja atento. Quando a criança estiver no caminho para a alfabetização, perceba se ela sabe a importância e o prazer de ler. Diverte-se com os livros, e tem prazer ao ouvir uma história, e folear um livro. Observe se a criança tem equilíbrio e fica num pé só, é independente para se vestir e se alimentar.

O processo de alfabetização exige uma serie de destrezas mais refinadas e maturidade neurológica, para que a criança adquira todo esse saber de uma forma tranquila e prazerosa.

Valorize os momentos lúdicos, a independência e autonomia, e a relação com os amigos da escola. O ambiente deve ser acolhedor, mas incentivador também!

Incentive e valorize também as brincadeiras, invenções, conquistas e até as traquinagens. Afinal motivação, criatividade e imaginação são fundamentais para o sucesso acadêmico em qualquer idade.

Por: Fernanda Monteiro – Terapeuta Ocupacional

Referência: Cardoso. FGCC, Rosa NF, Brusamarello S, Corazza TDM. Validação de uma bateria de testes de organização espacial: uma análise de consistência interna.Temas sobre desenvolvimento, 2010; 17 (100): 179-82.

Deixe sua opinião

Olá, gostaria saber mais sobre estimulação infantil?
Powered by